quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Portugal a arder



É penoso assistir, continuamente, verão atrás de verão, as chamas a devastarem e a consumirem a paisagem linda e verdejante do nosso país! Será que esta praga nunca vai acabar?
Pois há quem diga que isto já é tão natural, ao ponto de já nem estranharmos a dimensão da tragédia, pois eu continuo a indignar-me contra este flagelo. É triste e aflitivo assistir às imagens que passam, dia após dia.
Os números de área ardida, só este ano, são assustadores, mas não parecem assustar ninguém!
Mas porque razão é que Portugal é fustigado desta forma todos os verões? Porquê? Dizem que a primeira intervenção está a funcionar, garantem bombeiros e ambientalistas. Só não funciona a prevenção.
Porque falha a prevenção? Será que não conseguimos aprender com os nossos erros? Depois de um campanha como "Limpar Portugal" tão bem sucedida, porque é que não conseguimos manter os terrenos e as matas sem lixo? Porque é que não conseguimos ter actos de civismo como não atirar beatas pela janela, não fazer fogueiras e lançar foguetes?
Claro está que também existe uma « sociologia do fogo» mas a verdade é que os incendiários não se resumem a meia dúzia de tarados que espalham as chamas por compulsão doentia; temos de assumir que são centenas, se não milhares, aqueles que ateiam fogos um pouco por todo o lado, pelos motivos mais fúteis e variados.
Temos que agir e rapidamente, passando por cada um de nós, cidadãos, mas onde o Estado também tem um dever enorme de intervir!
No entanto, não podemos esquecer que todo este combate tem de ser ao longo de todo o ano!