domingo, 2 de agosto de 2009

Gripe A


Muito se tem dito e especulado nos últimos tempos acerca da Gripe A. No entanto, não aprovo a forma como os mass media têm conduzido este assunto. Falam apenas em números de contágios como se fosse uma contagem crescente. E então, o que fazemos quando atingirmos os 1000 casos de contágio? Qual é a solução?
Todos os dias somos bombardeados nos telejornais com a fantástica noticia de qual o número de contagiados em Portugal, e para quê? Será que isso é realmente importante ou apenas uma forma de suscitar mais alarmismos na população. E que tal falar de formas de prevenção. Está bem que essas informações estão disponíveis por todo o lado, mas na minha opinião nunca é demais falar acerca delas. Para além disso, todos nós sabemos que esta prevenção trata-se de mudar e incutir novas mentalidades e formas de estar, o que no nosso país não é nada fácil. Principalmente, quando se trata de lavar as mãos constantemente ou mesmo uma coisa tão simples como espirrar para um lenço e não aleatóriamente para o ar!! Penso que esse seria o dever da nossa comunicação social! Tornar esses avisos repetitivos até estarem enraizados na nossa sociedade.
Pois bem, como enfermeira, sei que tenho determinados deveres para com a população no que diz respeito à saúde pública, e decidi publicar aqui alguns ensinos de forma a informar ou relembrar que há algo que podemos fazer para evitar o contágio desta doença.
A gripe A trata-se de uma infecção respiratória causada pelo vírus A H1N1, cujos ambientes de maior risco são os ambientes pouco arejados, com aglomerados de pessoas, como por exemplo as escolas, os serviços de saúde, os transportes colectivos, etc.
Todos sabemos que os sintomas se assemelham a uma constipação com a diferença que na Gripe A existe febres altas e dores musculares e articulares intensas.
O ponto importante e fulcral é a forma de contágio da doença, que se faz através das secreções respiratórias que podem ser transmitidas de pessoa a pessoa por gotículas emitidas quando se espirra ou tosse e cuja proximidade física é inferior a 1 metro ou por contacto, com mãos deficientemente higienizadas ou veículos comuns (ex. brinquedos partilhados, maçanetas de portas, teclados e ratos, puxadores de gavetas.
Então torna-se imprescindível evitar a transmissão da Gripe A, com medidas tão simples como:
Sempre que tossir ou espirrar tapar o nariz e a boca com lenço de papel descartável;
Deitar no caixote do lixo os lenços de papel descartáveis depois de usados;
Lavar as mãos frequentemente;
Se não tiver as mãos lavadas, evitar mexer nos olhos, no nariz e na boca;
Limpar frequentemente as superfícies ou objectos mais sujeitos a contacto, com os produtos de limpeza habituais;
Se já tiver sintomas de gripe guardar uma distância de pelo menos um metro, quando estiver a falar com outras pessoas ou optar por ficar em casa ou evitar locais com muitas pessoas.
E pronto, termino assim a minha sessão de educação para a saúde.